Leilão Junho 2017

Arte Sacra, Mobiliário, Pratas e Ouro, Porcelanas, Faianças, Pintura, Biblioteca, Vinhos e Objectos de Coleccionismo.

Seleccionar o nº do Lote para aceder a toda informação relativa ao artigo (Notas e fotos adicionais)
  • Leilao
  Lote Descricao Categoria Preco Base
1025.4
Lote 0330

EDUARDO LUIZ (1932-1988)

GIROFLÉ-GIROFLÁ” – Excepcional óleo sobre platex, representando interessante composição de figuras em posição de dança, figura feminina a colocar roupa no estendal colocado em três árvores, carriole e animal quadrúpede. Importante trabalho deste pintor, dando origem a um cromatismo intelectualmente controlado de uma fina estilização com formas geométricas sobre fundo azul, pintura de um gosto perfeccionista, que distingue as obras na concepção e execução de Eduardo Luiz. Obra assinada e datada no canto inferior esquerdo [Eduardo Luiz // 1958]. Trabalho com moldura em madeira entalhada e patinada.

Dim: 46x61 cm (Óleo)

Dim: 66,3x81,3 cm (Moldura)

 

Nota: Eduardo Luiz Teles Fernandes Gomes – Pintor nascido em Braga a 16 de Julho de 1932. Foi com o seu pai, o escultor Joaquim Fernandes Gomes, que Eduardo Luiz se iniciou no desenho. No Porto, estudou na Escola de Artes Decorativas Soares dos Reis (1943-1946) e frequentou o curso de pintura na Escola de Belas Artes do Porto e na Escola Superior de Belas Artes do Porto, entre 1946 e 1952. Em 1953 ganhou o Prémio da Jovem Pintura. Nos primeiros anos da sua actividade artística, simultaneamente com a pintura, dedicou-se também à música e à dança e realizou diversos cenários para teatro, nomeadamente para o Teatro Experimental do Porto. Em 1958 Eduardo Luiz parte com bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian para Paris, onde alcançou grande sucesso. Outra interessante experiencia, viveu-a em França, em 1964, ao executar desenhos e pinturas para o filme de animação de Pierre Kast e Chris Marker “La Brûlure de Mille Soleils”, que obteve quatro prémios internacionais. Em 1971, foi viver para uma granja em Les Vaux, perto de Yèvre-le-Châtel, onde, anos mais tarde, se instalou definitivamente. Em 1983 foi agraciado com a Ordem da Cruz de Santiago da Espada. Exposições de Eduardo Luiz: 1950 - Em Maio, primeira exposição individual, com óleos e desenhos, na antiga Galeria Portugália, no Porto; 1953 - II Bienal de São Paulo, Brasil; 1956 - 10.ª Exposição geral de Artes Plásticas, na Sociedade Nacional de Belas-Artes, em Lisboa; 1957 - “11 Pintores Portugueses em Madrid”, na Galeria Abril, Madrid; 1557 - Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian; 1959 - V Bienal de São Paulo, Brasil; 1963 - Exposição individual na Galerie Mouffe, Paris; 1966 - 17ème Salon de Jeune Pinture, Paris; 1966 - Exposição individual na Cooperativa Árvore, Porto; 1966 - “Seis Pintores Portugueses de Paris”, na Galeria Bucholz, em Lisboa; 1967 - 18ème Salon de la Jeune Pinture, Paris; 1967/68 - “exposição Colectiva de Arte Portuguesa”, em Bruxelas, paris e Madrid; 1968 - Exposição individual na Galerie Claude Levin, em Paris; 1969 - Exposição individual na Galeria Vinciana, em Milão; 1970 - Exposição individual na Galeria San Michele, em Brescia; 1971 - “10 Ans d´art Portugais à Paris, no Centro Cultural Português de Paris; 1973 - Exposição individual na Galeria 111, em Lisboa; 1973 - “Pintura Portuguesa de Hoje”, em Barcelona, Madrid e Lisboa; 1974 - 1.ª Bienal Internacional de “Obra Gráfica Y Arte Seriado”, em Segóvia; 1975 - Exposição individual na Galerie Bellechasse, em Paris; 1975 - “6 Peintres Portugais”, no Hotel de Ville, em Bobigny; 1976 - “Art Portugais Contemporain”, no Museu de Arte Moderna de Paris; 1976 - “Le Mythe de Don Juan”, no Théatre Nationale de 1’Odéon, em Paris; 1976 - “Incisione Portoghese Contemporanea”, em Roma; 1976 - “Arte Portoghese Contemporanea”, na Galeria Nazionale d’Arte Moderna, em Roma; 1976/77 - “Arte Portuguesa Contemporânea”, em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro; 1977 - “Cultura Portuguesa em Madrid”, no Palácio de Congressos, em Madrid; 1977 - Exposição individual na Maison des Arts, em Thonon-les-Bains, em França; 1978 - Exposição individual na Galeria Zen, no Porto; 1979 - Exposição individual na galerie Le Balcon des Arts, em Paris; 1980 - Salon d’Automne, em Paris; 1981 - III Bienal Internacional de Arte de Vila Nova de Cerveira; 1981 - Exposição individual na Galeria 111, em Lisboa; 1984 - “Pinture contemporaine”, no Espace belleville, em Paris; 1986 - “Le XXème au Portugal”, no Centre Albert Borschette, em Bruxelas; 1987 - Exposição individual na Sparts Gallery, em paris; 1987 - “150 Anos de Arte Portuguesa – Últimas Décadas”, em Macau; 1987 - “Five Portuguese Artists”, em Washington. Eduardo Luiz faleceu a 30 de Abril de 1988, em Yévre-Le-Châtel (França). Está representado em diversos museus e colecções, publicas e privadas, entre os quais o Museu de Arte Erótica de São Francisco, o Museu de Arte Moderna da Cidade de Paris, o Museu Carlos Machado de Ponta Delgada, na Colecção Manuel de Brito (CAMB, Algés), no acervo do Millennium BCP, na Secretaria de Estado da Cultura e no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, Portugal.

 

Esta admirável obra esteve exposta nas seguintes exposições e vem catalogada nos seguintes volumes: Eduardo Luiz - Livro da Exposição de pintura realizada na Ygrego-Galeria de Arte em 12 de Abril a 3 de Maio de 1899. [Estampa Nº 5 Giroflé-Giroflá,1958]; Eduardo Luiz - Catálogo da exposição organizada pelo Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian em 1990. [Estampa s/paginação Giroflé-Giroflá,1958] & Catálogo de Arte Portuguesa nos Anos 50, organizada pela Câmara Municipal de Beja e pela Fundação Calouste Gulbenkian, em Outubro de 1992 e Janeiro de 1993. [pág. 250 Giroflé-Giroflá,1958].

 

Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 229 e 230] // Portguese 20 th Century Artists // Michael Tannock. [pág. 77], com dois trabalhos reproduzidos a cores e a negro. [Estampa Nº 65 & 295] // Exposição de Artes Plásticas / Fundação Calouste Gulbenkian-1957. [Estampa Nº 81-82].

Pintura 35.000,0 €
1024.4
Lote 0743

ARMANDA PASSOS (1944)

SEM TÍTULO” – Admirável óleo sobre tela, com imenso colorido, representando interessante composição de figuras femininas, animais fantásticos e ave. Obra assinada no canto inferior direito [ARMANDA PASSOS]. Trabalho com moldura lacada em tons prateados.

Dim: 146x113,7 cm (Óleo)

Dim: 151,1x118,8 cm (Moldura)

 

Nota: Maria Armanda Pinheiro Silva Passos Baptista – Pintora neofigurativa, com laivos de orientalismo. Nasceu no Peso da Régua no ano de 1940. Licenciada em Artes Plásticas pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto. Armanda Passos já realizou centenas de exposições individuais e colectivas em Portugal e no estrangeiro, tendo sido já distinguida pelo Presidente da República com a Comenda da Ordem de Mérito. Está representada no Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Museu de Arte Contemporânea, Fundação de Serralves, Porto; Fundação Museu do Oriente, Lisboa; Fundação Champalimaud, Lisboa; Fundação Casa de Mateus, Vila Real; Fundação D. Luís, Cascais; Museu Amadeo de Souza-Cardoso, Amarante; Museu Nogueira da Silva, Braga; Museu de Chaves; Tesouro-Museu da Sé de Braga; Tesouro da Sé Catedral do Porto; Museu de Aveiro; Museu Antoniano, Lisboa; Casa Fernando Pessoa Lisboa; Colecção Millennium BCP, Lisboa; Secretaria de Estado da Cultura, Lisboa; Palácio da Justiça, Porto; Palácio de Belém; Museu do Chiado, Lisboa. Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 267] // Catálogo da exposição ESBAP/FBAUP,1995. [pág. 86].

Pintura 20.000,0 €
1033.4
Lote 0373

DOMINGUEZ ALVAREZ (1906-1942)

FOZ DO DOURO” – Óleo sobre tela, representando paisagem marítima com barcos e rochedos na Foz do Douro. Obra assinada no canto inferior esquerdo [ALVAREZ]. Trabalho com moldura em madeira entalhada e dourada.

Dim: 13,5x18,5 cm (Óleo)

Dim: 39,2x44,3 cm (Moldura)

 

Nota: José Cândido Dominguez Alvarez, nasceu na freguesia portuense de Campanhã, em 23 de Fevereiro 1906. Filho de pais galegos, Alvarez é uma figura importante do chamado “segundo modernismo português”, que reúne um conjunto de artistas com uma primeira apresentação pública ainda nos anos 20 e carreiras que se desenvolvem nas décadas seguintes, como Mário Eloy, Júlio, Carlos Botelho, entre outros. Em 1924 realizou os primeiros desenhos e aguarelas e, em 1926, com 20 anos, matriculou-se no curso Preparatório de Arquitectura da Escola de Belas Artes do Porto, que veio a trocar pelo de Pintura, em 1928. Foi membro fundador do grupo "+ Além" que, em 1929, juntou no Porto diferentes artistas que se opunham às homenagens póstumas dedicadas ao mestre Marques de Oliveira. Nessa ocasião tornou-se um dos subscritores do manifesto "Em Defesa da Arte".

Em 1931 perdeu o ano por motivos de saúde e, parte do ano seguinte, passou-o na Galiza, a pintar. Alvarez pintou paisagens rurais e urbanas que partem do natural, visitadas pelo artista durante as viagens que fez pela Península Ibérica (Porto, Minho, Galiza e Castela), representou cenas do dia-a-dia com homens a negro e torcidos, figuras à chuva, retratos de figuras com paisagens em fundo e torres de catedrais espanholas, como a de Segóvia e a de Compostela, utilizando uma linguagem expressionista. A sua única exposição individual foi realizada no Salão Silva Porto, em Junho de 1936. Em contrapartida, fez parte do elenco de algumas mostras colectivas. Integrou exposições de alunos do ESBAP (no Salão Silva Porto, em 1929, e, em 1931, no Ateneu Comercial do Porto), expôs com Artur Justino, do grupo "+ Além", no Salão Silva Porto, em 1930, participou na Grande Exposição dos Artistas Portugueses, em 1935, na V Exposição de Arte Moderna do Secretariado de Propaganda Nacional, em 1939, e na Exposição Etnográfica do Douro Litoral no já desaparecido Palácio de Cristal do Porto, em 1940. Foi no meio de toda esta actividade criativa que concluiu o curso de Pintura, mais precisamente em 1940, tendo apresentado o trabalho Paisagem com Animais, com o qual obteve a classificação de 20 valores. Entretanto, durante a licenciatura, recebeu alguns prémios e elogios de diversos professores, tais como Aarão de Lacerda e Dórdio Gomes. Entre 1940 e 1942 foi bolseiro do Instituto de Alta Cultura. Nesse período pintava essencialmente paisagens e foi nomeado professor da Escola Industrial Infante D. Henrique, no Porto. A saúde frágil traiu-o a 16 de Abril de 1942, dia em que faleceu, vítima de tuberculose. Está representada no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian com 39 obras (pinturas e desenhos), em Lisboa, no Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, na Casa-museu de José Régio, em Vila do Conde, no Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, em Amarante, e no Museu do Abade de Baçal, em Bragança e em colecções particulares. Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 69-70] // Portguese 20 th Century Artists // Michael Tannock. [pág. 8]. // Catálogo da Grande Exposição dos Artistas Portugueses-1935. [pág.20].

Pintura 5.000,0 €
0993.2
Lote 0344

MEIA COMODA D. JOÃO V / D. JOSÉ

Em madeira de pau-santo maciço e entalhado, trabalho português do séc. XVIII. Tampo liso, decorado por rebaixe que acompanha as linhas da caixa, constituída por duas gavetas superiores e um gavetão. Saiais recortados, finamente entalhados com enrolamentos vegetalistas, concheados e volutas, assente sobre pernas de boa curvatura, decoradas nos joelhos com enrolamentos vegetalistas, terminando em pés de garra e bola. Interiores malhetados e pinasados em madeira de pau caixa. Ferragens recortadas e vazadas em metal, decoradas com enrolamentos e grinaldas vegetalistas. Bonita vergada de madeira e boa patine. Sinais de uso, tampo manchado, restauros antigos, pega e chave omissa e pequenas faltas e defeitos.

Dim: 83,3x113x60,7 cm

 

Mobiliário 3.000,0 €
0663.2
Lote 0756

BARRA DE OURO – 100 gr.

Barra de formato rectangular em ouro amarelo de 99,9% (1000 milésimas – 24k).

Exemplar com a inscrição gravada [OURO // 1000 // Damião // 100,0].

Metal: ouro

Marca: Damião

Estado: Bela

Toque: 999,9

Dim:4,2x2,5x0,5 cm

Peso: 100 gr.

Ouro 2.800,0 €
0846.2
Lote 0378

BARRA DE OURO – 100 gr.

Barra de formato rectangular em ouro amarelo de 99,9% (1000 milésimas – 24k).

Exemplar com a inscrição gravada [OURO // 1000 // Damião // 100,0].

Metal: ouro

Marca: Damião

Estado: Bela

Toque: 999,9

Dim:4,2x2,5x0,5 cm

Peso: 100 gr.

Ouro 2.800,0 €
1035.3
Lote 1133

ARMANDA PASSOS (1944)

SEM TÍTULO” – Técnica mista sobre papel em vários tons sobre fundo vermelho. Obra assinada na parte lateral direita [ARMANDA PASSOS]. Trabalho com moldura em madeira entalhada, patinada e dourada.

Dim: 44,7x64 cm (Técnica mista)

Dim: 66,5x85,5 cm (Moldura)

 

Nota: Maria Armanda Pinheiro Silva Passos Baptista – Pintora neofigurativa, com laivos de orientalismo. Nasceu no Peso da Régua no ano de 1940. Licenciada em Artes Plásticas pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto. Armanda Passos já realizou centenas de exposições individuais e colectivas em Portugal e no estrangeiro, tendo sido já distinguida pelo Presidente da República com a Comenda da Ordem de Mérito. Está representada no Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Museu de Arte Contemporânea, Fundação de Serralves, Porto; Fundação Museu do Oriente, Lisboa; Fundação Champalimaud, Lisboa; Fundação Casa de Mateus, Vila Real; Fundação D. Luís, Cascais; Museu Amadeo de Souza-Cardoso, Amarante; Museu Nogueira da Silva, Braga; Museu de Chaves; Tesouro-Museu da Sé de Braga; Tesouro da Sé Catedral do Porto; Museu de Aveiro; Museu Antoniano, Lisboa; Casa Fernando Pessoa Lisboa; Colecção Millennium BCP, Lisboa; Secretaria de Estado da Cultura, Lisboa; Palácio da Justiça, Porto; Palácio de Belém; Museu do Chiado, Lisboa. Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 267] // Catálogo da exposição ESBAP/FBAUP,1995. [pág. 86].

Pintura 2.500,0 €
0743.2
Lote 0365

RELÓGIO DE PULSO PARA HOMEM “EBEL”

Caixa e sistema de fecho em ouro amarelo contrastado de (18 k), com as respectivas marcas de garantia do toque de 0,750, marca e modelo “Ebel E Type” de fabrico suíço, trabalho do séc. XXI. Máquina de movimento automático com número de série gravado no aro do verso E8330C41 - 29100414. Mostrador em tons de negro com numeração Árabe e estilizada em dourado com inscrição na parte superior “Ebel” e na inferior a branco “Automatic”. Coroa lateral que acciona os ponteiros e o calendário que se encontra posicionado no lateral direito. Bracelete em borracha em tons de negro, decorada com caneladuras sobrepostas, formando um desenho repetitivo. A funcionar. Sinais de uso e em bom estado de conservação, sem estojo e certificado de garantia.

Alt: 0,8 cm

Diâm: 3,8 c

Ouro 2.100,0 €
0690.2
Lote 1118

SERVIÇO DE CHÁ E CAFÉ

Em prata portuguesa, trabalho do séc. XX. Este conjunto é constituído pelas seguintes peças: Uma (1) cafeteira, um (1) bule de chá, uma (1) leiteira e um (1) açucareiro. Corpos bojudos, decorados por faixas concêntricas recortadas com motivos florais, enrolamentos vegetalistas e volutas gravadas, encimadas por concheados intercalados por volutas em relevo. Pés de enrolamento com términos recortados e moldurados. Pegas laterais recortadas e vazadas em voluta, decoradas com enrolamentos vegetalistas com términos em enrolamento. Bicos em colo de cisne e pomos das tampas em forma de urna. Sinais de uso e pequenas amolgadelas em algumas peças do serviço.

Contraste: Águia 916 - 1º título - Vidal Nº 45. Marca de garantia da prata do toque 0,916, usada na contrastaria de Lisboa de 1938-1984. Inscrição incisa “Ourivesaria Pimenta - Lisboa”.

Peso aprox: 3.797 gr.

Alt: 30 cm (Cafeteira)

Alt: 25,5 cm (Bule)

Alt: 21 cm (Açucareiro)

Alt: 17,5 cm (Leiteira)

Prata 1.900,0 €
0043.2
Lote 0321

FAQUEIRO PARA DOZE PESSOAS COM ESTOJO ORIGINAL

Em prata portuguesa, trabalho do séc. XIX-XX. Este faqueiro é constituído por cento e dez (110) peças que passamos a descrever: Doze (12) garfos de carne, doze (12) facas de carne, doze (12) colheres de sopa, doze (12) garfos de sobremesa, doze (12) facas de sobremesa, doze (12) colheres de sobremesa, doze (12) colheres de chá e uma (1) concha de açúcar, doze (12) colheres de café, um (1) trinchante de carne, um (1) trinchante de bolo, uma (1) colher de arroz, uma (1) concha de sopa, uma (1) pinça para salada, uma (1) colher para molheira, uma (1) colher para natas, uma (1) colher de refresco, uma (1) faca para manteiga, uma (1) faca para doce e um (1) quebra-nozes. Corpos decorados com cartelas recortadas, encimadas por enrolamentos vegetalistas sobre fundo guilhochado. Versos decorados por faixas recortadas e ricamente guilhochadas.

Estojo original de formato rectangular em madeira faixeada a olho-de-perdiz, assente sobre pés circulares, decorado por molduras em madeira de pau-santo, constituído por tampa de movimento ascendente e descente com uma gaveta na base. Interior compartimentado e forrado a seda em tons de vermelho, debruado por cordão em tons de vermelho e branco. Interior da tampa com espelho central. Sinais de uso.

Contraste: Javali (II) - Vidal Nº 73. Marca de garantia aproximada da prata do toque 0,833, usada na contrastaria do Porto de 1887-1937. Marca de Ourives do Porto - Vidal Nº 1497 de Cosme Teixeira, registada em 1887, transferida em 1902 para Manuel de Almeida Teixeira e já cancelada.

Peso aprox: 4000 gr.

Dim: 20,4 cm (Garfo de carne)

Dim: 26,7 cm (Faca de carne)

Dim: 20,2 cm (Colher de sopa)

Dim: 29,7 cm (Colher de arroz)

Dim: 33 cm (Concha de sopa)

Prata 1.800,0 €
0786.2
Lote 0711

FAQUEIRO PARA DOZE PESSOAS

Em prata portuguesa, trabalho do séc. XX-XXI. Este faqueiro é constituído por {cento e quinze (115) peças}, que passamos a descrever: Doze (12) garfos de carne, doze (12) facas de carne, doze (12) garfos de peixe, doze (12) facas de peixe, doze (12) colheres de sopa, doze (12) garfos de sobremesa, doze (12) facas de sobremesa, doze (12) colheres de sobremesa, doze (12) colheres de chá, uma (1) concha de sopa, uma (1) colher de arroz, um (1) trinchante de peixe, um (1) garfo de trinchante de carne, uma (1) espátula de bolo e uma (1) colher de molheira. Corpos parcialmente recortados, decorados no topo por monograma, ladeados por motivos florais estilizados e volutas em relevo.

Sinais de uso e falta da faca do trinchante de carne.

Contraste: Águia 925 - Vidal Nº 4103. Marca de garantia da prata do toque de 0,925, aplicada em artefactos grandes, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma águia, voltada para a esquerda, tendo na base o número 925. Marca de ourives de Fermentões (Guimarães) - Vidal Nº 4912 de Manuel Machado & Cª, Ld.ª, registada no Porto em 1991.

Peso aprox: 5.100 gr.

Dim: 20,2 cm (Garfo de carne)

Dim: 23,8 cm (Faca de carne)

Dim: 17,2 cm (Garfo de peixe)

Dim: 20 cm (Faca de peixe)

Dim: 30 cm (Concha de sopa)

Dim: 24,7 cm (Colher de arroz)

Prata 1.800,0 €
0746.2
Lote 1120

ANEL DE SENHORA

Em ouro branco contrastado (14 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,585, trabalho português do séc. XX-XXI. Aro liso, encimado por mesa recortada e vazada em forma de flor, cravejada com cento e setenta e seis (176) navetes. Sinais de uso.

Contraste: Andorinha - Vidal 4096. Marca de garantia do ouro do toque de 0,585, aplicada em artefactos para exportação, usada na contrastaria de Lisboa desde 1985. Uma andorinha em voo, tendo na base o número 585.

Peso total aprox: 9,9 gr.

Med: 15

Ouro 1.700,0 €
0713.2
Lote 1126

TABULEIRO DE BORDO RECORTADO

Em prata portuguesa, trabalho do séc. XX-XXI. Corpo de formato oval, decorado na aba com motivos florais intercalados por enrolamentos vegetalistas gravados, assente sobre pés recortados e vazados, decorados por enrolamentos vegetalistas em relevo. Bordo recortado, ricamente decorado por cães e veados, intercalados por enrolamentos vegetalistas, aletas e volutas em relevo. Pegas laterais recortadas e vazadas, decoradas com enrolamentos vegetalistas e volutas em relevo. Sinais de uso.

Contraste: Águia 925 - Vidal Nº 4103. Marca de garantia da prata do toque 0,925, aplicada em artefactos grandes, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma águia voltada para a esquerda, tendo na base o número 925. Marca de Ourives do Porto - Vidal Nº 4592 de Dias & Andrade, Ldª, registada em 1991.

Peso aprox: 3.071 gr.

Dim: 7,9x41,2x60 cm

Prata 1.550,0 €
0747.2
Lote 0648

ANEL DE SENHORA

Em ouro branco contrastado (18 k), com as respectivas marcas de garantia do toque de 0,750, trabalho português do séc. XX-XXI. Aro liso, topo decorado por duas caneladuras de movimento côncavo, encimadas ao centro por faixa horizontal, cravejadas com cinquenta (50) navetes. Sinais de uso.

Contraste: Andorinha - Vidal 4094. Marca de garantia do ouro do toque de 0,750, aplicada em artefactos para exportação, usada na contrastaria de Lisboa desde 1985. Uma andorinha em voo, tendo na base o número 750.

Peso total aprox: 9,1 gr.

Med: 15

 

Ouro 1.400,0 €
1016.4
Lote 0971

JOSÉ RODRIGUES

JESUS CRISTO CRUCIFICADO” – Escultura em bronze moldado e relevado com partes patinadas e polidas, assinada lateralmente [J Rodrigues].

Sinais de uso.

Dim: 60x44 cm (Escultura)

Dim: 83 cm (Altura total)

Escultura 1.250,0 €
1048.3
Lote 1105

SERGIO TELLES (1936)

PÓVOA DE VARZIM” – Interessante óleo sobre madeira, representando Domingo na praia da Póvoa de Varzim. Obra assinada e datada no canto inferior direito [Sérgio Telles // Póvoa de Varzim, 1970]. Moldura em forma de caixa com vidro de protecção frontal. Verso com várias colagens de inscrições de exposições efectuadas na Galeria Quadrante-Lisboa com o Nº 5 e na Galeria Dois-Porto com o Nº 39-A. Esta obra vem reproduzida no livro “Sérgio Telles - Encontro”, na página Nº 44-45, editado pelo Centro do Livro Brasileiro em Lisboa no ano de 1970.

Dim: 54,5x27,5 cm (Óleo)

Dim: 50,8x77,3 cm (Moldura)

 

Nota: Sérgio Barcelos Telles – Pintor e desenhador, nascido em 1936, no Rio de Janeiro. Viveu largos anos entre nós como diplomata brasileiro, interpretou com vigor e vibração figuras, paisagens e costumes portugueses. Expôs nas principais cidades da Europa, entre as quais Lisboa (Gal. Quadrante) em 1970, S.N.I em 1971, Paris, Londres, Buenos Aires, Tóquio, Zurique e várias no rio de Janeiro. Está representado nos museus de Arte Contemporânea; Grão Vasco-Viseu; Fundação Calouste Gulbenkian, Diversos museus Internacionais e colecções privadas. Ref. Biog. E. Bénezit  Dictionaire des Peintres, Dessinateurs et Graveurs. [pág. 521 - Vol. 13] // Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 284-285-286] // Michael Tannock. [pág. 177].

Pintura 1.250,0 €
0351.2
Lote 0744

351

 

PRATO COBERTO

Em prata portuguesa, trabalho do séc. XX. Corpo liso de formato rectangular, decorado por faixa encordoada no bordo, formando um desenho repetitivo. Tampa em forma de campânula com a mesma decoração, encimada ao centro por pega amovível, recortada e vazada em forma de tronco, decorada com encordoados com términos em enrolamentos vegetalistas. Sinais de uso.

Contraste: Águia 916 - 1º título - Vidal Nº 46. Marca de garantia da prata do toque 916, usada na contrastaria do Porto de 1938-1984. Marca de Ourives do Porto - Vidal Nº 2310 de José Pereira Reis, registada em 1916 e transferida em 1946 para a respectiva viúva e em 1947 para José Pereira Reis, Sucessor e marca incisa “Rosas & Ciª”.

Peso aprox: 2.940,5 gr.

Dim: 18x27,5x34,9 cm

 

Prata 1.000,0 €
0742.2
Lote 0630

RELÓGIO DE PULSO PARA HOMEM “MONTBLANC”

De fabrico suíço, modelo “Meisterstuck - Chronographe - Automatic - 7034”, trabalho do séc. XXI. Caixa em aço polido com gravação lateral incisa “Meisterstuck”. Máquina de movimento automático com número de série no verso - pl-138954 - Water Resistant 200 M. Mostrador em tons de negro com numeração estilizada esmaltada em tons de branco, protegido com vidro safira, ladeado pelos pulsores de comando do cronógrafo e coroa central que acciona o calendário e acerto dos ponteiros das horas. Calendário posicionado no lateral direito e mostrador dos segundos no lateral esquerdo. Aro exterior com escala taquimétrica rotativa sobre fundo negro com numeração prateada. Bracelete em borracha em tons de negro com o logótipo inciso da Montblanc na parte superior da bracelete e fecho em dobra dupla. A funcionar. Sinais de uso e em bom estado de conservação, sem estojo e certificado de garantia.

Alt: 1,4 cm

Diâm: 4 cm

Relógios 1.000,0 €
0787.2
Lote 0349

SEIS COPOS DE PÉ ALTO

Em prata portuguesa, trabalhos do séc. XX. Copo de formato piramidal invertido de covo acentuado, decorado por cartelas, intercaladas por motivos florais e enrolamentos vegetalistas gravados, assente sobre fuste tubular com término em base circular recortada, decorada em alto e baixo-relevo com enrolamentos vegetalistas, ladeados por concheados. Sinais de uso.

Contraste: Águia 916 - 1º título - Vidal Nº 46. Marca de garantia da prata do toque de 0,916, usada na contrastaria do Porto de 1938-1984. Marca de Ourives do Porto - Vidal Nº 3999 de Nogueira & Santos, registada em 1953, transferida em 1967 para Nogueira & Santos, Ld.ª e cancelada em 1975.

Peso aprox: 2.521 gr.

Alt: 19,6 cm

 

Prata 1.000,0 €
0847.2
Lote 0374

PORTA-MOEDAS DE BOLSO DE DOIS DINHEIROS

Em ouro amarelo contrastado (19,2 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho do séc. XIX-XX. Corpo em malha em forma de saco com término em berloque, aplicado em armação maciça recortada, encimado por fecho no topo. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de tigre - Vidal Nº 20. Marca de garantia aproximada do ouro do toque de 0,800, usada na Delegação da contrastaria do Porto em Gondomar de 1900-1913. Marca de Ourives de Gondomar - Vidal Nº 3121 de Vicente Gaspar Vieira, registada em 1887 e já cancelada.

Peso aprox: 44,9 gr.

Dim: 9,5x5,7 cm

 

Ouro 1.000,0 €
0890.2
Lote 1132

MOEDA EM OURO – 50 PESOS MEXICANOS

MOEDA COMEMORATIVA DA INDEPÊNCIA DO MÉXICO - WINGED VICTORY com uma coroa de louros na mão direita e correntes quebradas na mão esquerda, ladeada ao centro 50 PESOS (na esquerda) e 37.5 Gr. ORO PURO (na direita). Em baixoduas famosas montanhas vulcânicas do México, encimada pelas datas de 1821 (esquerda) e 1947 (direita). Verso: Águia de asas abertas com cobra no bico, assente sobre cacto. No campo exterior, em baixo, ramo de oliveira e carvalho e a inscrição: “ESTADOS UNIDOS MEXICANOS”. Bordo: INDEPENDENCIA Y LIBERTAD.

Peso aprox.:41,67 gr. & 37,5 gr. (puro)

Ouro 1.000,0 €
1188.1
Lote 0665

PAULA REGO

THE BAKER’S WIFE II 1989” – Gravura a água-forte colorida à mão e água-tinta sobre papel, assinada no canto inferior direito [Paula Rego]. Edição limitada de 20 // 75. Obra impressa por Paul Coldwell na Culford Press, Londres em papel Somerset, e colorido à mão por Charlotte Hodes. Edição publicada pela artista e pela Marlborough Graphics. Esta interessante gravura de cores vivas “A Mulher do Padeiro II” é representada por três personagens: O padeiro sentado num banco, branco e com o avental coberto de farinha a tapar-lhe a barriga, olhando com óbvio incómodo a mulher de mãos dadas ao seu amante, vendo-se com ironia a triste robustez com que ele aceita o inaceitável. Obra semelhante vem catalogada no volume Nº 3 [Paulo Rego // Obra gráfica completa], Cavalo de Ferros Editores. Lisboa. 2005. [pág. Nº31e pág. Nº 72]. Gravura em excelente estado de conservação. Trabalho emoldurado.

Dim: 11,8x16,5 cm (Chapa gravada)

Dim: 26,5x33,4 cm (Papel)

Dim: 50x63 cm (Moldura)

 

Nota: Paula Figueiroa Rego – Pintora portuguesa radicada em Inglaterra, nasceu a 26 de Janeiro de 1935, em Lisboa. Formou-se na Slade School of Art e, nos inícios dos anos 60 do século XX, foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian. A sua primeira aparição perante o público lisboeta deu-se em 1961, na II Exposição da Gulbenkian, tendo o seu trabalho sido bem acolhido pela crítica. O surrealismo e o expressionismo influenciaram estes primeiros desenhos e colagens. Passou pelo movimento da pop art inglesa, conservando, contudo, uma temática muito pessoal. A leitura dos romances de Henry Miller marcou igualmente o seu percurso, ao abordar temas do imaginário erótico feminino. Em 1965 produziu vários trabalhos relacionados com acontecimentos chocantes da vida política ibérica - Cães de Barcelona, Gorgon, Retrato de Grimau, Manifesto por uma causa perdida, temática já anunciada em 1961 com Salazar a vomitar a Pátria. Faz uma leitura pessoal de outras obras de arte e das suas memórias, integradas em processos narrativos em que o mundo da infância aparece como um lugar lúdico de perversidade e algum humorismo. Esta “narratividade” acentua-se nos anos 80. Nos anos 90, assume a orientação figurativa de raiz temática portuguesa ou atinge ainda uma dimensão universal abordando a condição feminina (Série de mulher-cão, Marborough Gallery, 1992). Paula Rego nunca se desligou da vida artística portuguesa, expondo regularmente entre nós, mas também noutros países, como aconteceu, por exemplo, nas cidades de Amesterdão, Paris, Lima e Bruxelas. Também já representou o Reino Unido em certames como a Bienal de S. Paulo. Em Maio de 1997, no Centro Cultural de Belém, foi inaugurada uma importante exposição retrospectiva da sua obra, com 136 trabalhos, cobrindo trinta e seis anos de carreira. Em 2001, foi publicado, numa edição limitada, numerada e assinada, o livro As Meninas, uma obra conjunta da artista e de Agustina Bessa-Luís. Em Outubro de 2004, o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto, acolheu uma selecção da obra de Paula Rego, produzida desde 1997. Nesta mostra, de cerca de 150 obras, a artista apresentou, pela primeira vez, os desenhos preparatórios de algumas da suas pinturas, destacando a importância do desenho no seu trabalho. Ao longo da sua carreira tem sido distinguida com vários prémios: Prémio Soquil (1971); TWSA Touring Exhibition, Newlyn Arts Centre, Penzance (1984); Prémio Benetton/Amadeo de Souza-Cardoso, Casa de Serralves, Porto (1987); Prémio Turner 89, Londres (1989); Prémio Bordalo da Casa da Imprensa 1997, Lisboa (1998); Prémio AICA’97, Lisboa (1998); Prémio de Consagração Celpa/Vieira da Silva (2001). Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia (Madrid, 2007). Está representada nas mais importantes colecções públicas e privadas internacionais, com destaque para o British Council (Londres); Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa); National Gallery (Londres); National Portrait Gallery (Londres); Tate Britain (Londres); Tate Modern (Londres); Art. Fundo de museus britânicos; Art. Fundo de museus britânicos, Clay Center para a Arts & Sciences, Charleston, West Virginia; Kemper Museum of Contemporary Art, Kansas City, Missouri; Leeds City Art Gallery, Reino Unido; National Portrait Gallery, Londres, Reino Unido; New Art Collection Hall, na Universidade de Cambridge, Reino Unido; Museu Nacional Reina Sofia, Madrid; Tate Gallery, Londres, Reino Unido; O Museu Britânico, Londres, Reino Unido; University College London, Reino Unido. Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 26 e 27] // Portguese 20 th Century Artists // Michael Tannock. [pág. 138], com dois trabalhos reproduzidos a cores e um a negro. [Estampa Nº 74, 75 e 316].

Pintura 1.000,0 €
1189.1
Lote 0256

JÚLIO RESENDE (1917-2011)

JÚLIO RESENDE // RIBEIRA NEGRA // 10 GRAVURAS. Galeria Nasoni. Porto. S/d. [1986]. In-fólio de 10 exemplares. Interessante e valiosa colecção de gravuras de Júlio Resende, inseridas em pasta cartonada a negro dos editores. Conjunto que passamos a descrever:

RIBEIRA NEGRA” – Série de 10 gravuras a água-forte em tons de negro sobre papel encorpado, assinadas e datadas no canto inferior direito [Resende // 86]. Edição limitada de 10 // 50. Exemplares em excelente estado de conservação. INVULGAR E VALIOSA COLECÇÃO.

Dim: 50x35 cm

 

Nota: Júlio Martins da Siva Resende – Pintor contemporâneo, nasceu no Porto a 23 de Outubro de1917 e faleceu a 21 de Setembro de 2011. Discípulo de Alberto Siva, Joaquim Lopes, Dordio Gomes, Duco de la Haix e Othon Friez. Frequentou a Escola de Belas-Artes do Porto, obtendo de seguida uma bolsa do Instituto de Alta Cultura. Das inúmeras exposições individuais, salientam-se, três exposições antológicas na Fundação Calouste Gulbenkian (1989), no Museu Nacional do Rio de Janeiro (1990), e no Leal Senado em Macau. Foi galardoado com: o Prémio Nacional da Academia de Belas-Artes; o Prémio de Artes Gráficas na Xª Bienal de Arte de S. Paulo; a medalha de Prata na Exposição Internacional de Bruxelas. Está representado no Museu Nacional Soares dos Reis; no Museu do Chiado; no Museu Calouste Gulbenkian; no Museu de Arte Moderna de S. Paulo; e na sede da UNESCO, em Paris. Foi membro da Academia Nacional de Belas-Artes Portuguesa e da Real Academia das Ciências, das Letras e das Belas-Artes belga. Recebeu o Grau da Ordem Militar de Santiago de Portugal e da Ordem de Mérito Civil do Rei de Espanha. Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 46-47] // Michael Tannock. [pág. 59].

Pintura 1.000,0 €
0386.2
Lote 1130

TABULEIRO DE BORDO RECORTADO

Em prata portuguesa, trabalho do séc. XX. Corpo parcialmente liso de formato oval, decorado na aba por faixa concêntrica recortada com gravações de motivos vegetalistas e volutas, formando um desenho repetitivo. Bordo recortado e moldurado, intercalado por folhagens e volutas em relevo. Pegas laterais, recortadas e vazadas com términos em enrolamento. Sinais de uso.

Contraste: Águia 835 - Vidal Nº 4109. Marca de garantia da prata do toque de 0,835, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma cabeça de águia voltada para a direita, tendo na base o número 835. Vidal Nº 4127 - Marca aplicada nos artefactos de ourivesaria importados por entidades não matriculadas e em artefactos de que se desconhece o responsável pelo fabrico, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma cabeça de pelicano voltada para a direita.

Pesos aprox: 2.745,9 gr.

Dim: 39x70,5 cm

 

Prata 950,0 €
0848.2
Lote 1128

PULSEIRA DE SENHORA ARTE-DECO

Em ouro amarelo contrastado (19,2 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho português do séc. XX. Corpo maleável, constituído por elos ocos e recortados, formando um desenho repetitivo. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de dragão - Vidal Nº 26. Marca de garantia do ouro do toque de 0,800, usada na contrastaria do porto de 1938-1984.

Peso aprox: 39,6 gr.

Dim: 1,3x18,5 cm

Ouro 950,0 €
0829.2
Lote 0372

PAR DE CANDELABROS

Em prata portuguesa, trabalhos do séc. XX. Fustes recortados em forma de balaústres, decorados com enrolamentos vegetalistas, intercalados por concheados e volutas em relevo, tendo ao centro cinco braços, sendo quatro recortados em voluta, encimados por arandelas e copos bojudos que servem de apoio às velas. Bases recortadas de formato circular, profusamente decoradas com caneladuras verticais de movimento côncavo, ladeadas por enrolamentos vegetalistas e aletas em relevo, assente sobre pés de sapata. Sinais de uso.

Contraste: Águia 833 - Vidal Nº 49. Marca de garantia da prata do toque 0,833, usada na contrastaria do Porto de 1938-1984. Marca de Ourives do Porto - Vidal Nº 1409 de Alberto Martins dos Santos, registada em 1950 e cancelada em 1978.

Peso aprox: 2.414,4 gr.

Alt: 32 cm

Diâm: 26,4 cm

Prata 850,0 €
0898.2
Lote 0370

MOEDA AMERICANA DE 20 DÓLARES EM OURO

ANV.: Ao centro: Busto da Liberdade virado para a esquerda, com a inscrição do gravador J.B.L [James Barton Longacre].

Por baixo: 1906.

REV.: Bordo com a inscrição: UNITED STATES OF AMERICA.

Ao centro: Brasão de Armas dos Estados Unidos da América.

Por baixo: TWENTY DOLLARS.

Metal: Ouro

Bordo: Serrilhado

Estado: M.B.C.

Diâm: 34 mm

Toque: 900 ‰

Peso: 33,44 gr.

Ouro 850,0 €
0899.2
Lote 0754

MOEDA AMERICANA DE 20 DÓLARES EM OURO

ANV.: Ao centro: Busto da Liberdade virado para a esquerda, com a inscrição do gravador J.B.L [James Barton Longacre].

Por baixo: 1898.

REV.: Bordo com a inscrição: UNITED STATES OF AMERICA.

Ao centro: Brasão de Armas dos Estados Unidos da América.

Por baixo: [S] - São Francisco •TWENTY DOLLARS.

Metal: Ouro

Bordo: Serrilhado

Estado: M.B.C.

Diâm: 34 mm

Toque: 900 ‰

Peso: 33,44 gr.

Ouro 850,0 €
1003.4
Lote 0694

RELÓGIO DE BOLSO – INTERNATIONAL WATCH Cº

Caixa dupla em ouro amarelo contrastado (18 K), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,750, de fabrico suíço do séc. XX. Tampa do verso ricamente decorada com guilhochados, formando um desenho repetitivo e cartela central de formato circular. Máquina de movimento mecânico accionado por corda com numeração gravada 133556. Tampas interiores com numeração incisa 3571 e a seguinte inscrição gravada “International wactch cº”. Mostrador em esmalte em tons de branco com numeração romana a negro e mostrador dos segundos às seis horas. A funcionar.

Sinais de uso e em bom estado de conservação.

Diâm: 5,2 cm

Ouro 800,0 €
0735.2
Lote 0616

ANEL DE SENHORA MODERNISTA

Em ouro branco contrastado (19,2 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho português do séc. XX-XXI. Aro liso com topo decorado ao centro por flor, encimada por uma safira com 0,05 (ct), ladeada por faixas recortadas e vazadas, encastoadas com trinta e seis (36) diamantes em talhe de brilhante com 0,01 (ct) cada. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de veado - Vidal Nº 4092. Marca de garantia do ouro do toque de 0,800, usada na contrastaria de Lisboa desde 1985. Uma cabeça de veado, voltada para a esquerda, tendo na base o número 800.

Peso total aprox: 11,3 gr.

Med: 14

Ouro 780,0 €
0647.2
Lote 0720

CÓMODA ESTILO D. JOÃO V / D. JOSÉ

Em madeira maciça de pau-santo, recortada, vazada e entalhada, trabalho do séc. XX. Tampo recortado, decorado por rebaixe que acompanha movimento da caixa de linhas tortas e recortas, formando bonitas linhas assimétricas, constituída por duas gavetas e três gavetões, percorridos por finas molduras. Saiais recortados e vazados, ricamente entalhados com motivos florais, enrolamentos vegetalistas e volutas. Pilastras molduradas, assente sobre pernas de boa curvatura, decoradas nos joelhos com enrolamentos vegetalistas entalhados com términos em pés de garra e bola. Interiores malhetados com costas e fundos em placa. Sinais de uso, falta da parte frontal de um dos pés e chave omissa.

Dim: 97,5x125x55,7 cm

Mobiliário 750,0 €
0776.2
Lote 0328

JESUS CRISTO CRUCIFICADO

Escultura em marfim de boa anatomia e pormenor, policromada e dourada, trabalho indo-português do séc. XVIII. A figura está representada crucificada com a cabeça pendente para trás a olhar para o céu. Rosto de traços bem demarcados com barbas e longos cabelos finamente esculpidos em finas estrias, caindo em madeixas soltas e onduladas sobre os ombros e as costas. Enverga cendal de movimento esvoaçante sobre a anca com rico trabalho de drapeado e dobras turgidas, preso á cintura por nó de laçada, deixando uma ponta pendente sobre a sua perna esquerda, pés sobrepostos e pinturas realistas das chagas. Imagem aplicada sobre cruz em madeira de pau-santo maciço, decorada por rebaixe com flamulas e terminais recortados, vazados, entalhados e dourados com enrolamentos vegetalistas e volutas. Resplendor flamejante em liga metálica prateada, encimado ao centro por flor e legenda recortada com inscrição em relevo [J.N.R.J.], ladeada por motivos florais, enrolamentos vegetalistas e aletas. Sinais de uso, pequenas faltas e defeitos nos terminais da cruz e base omissa.

Peso aprox: 412,5 gr.

Dim: 25x13,8 cm (Escultura)

Dim: 87,9x35,7 cm (Cruz)

 

Nota: Escultura com certificado [ICNB-CITES

 

Marfim 750,0 €
1060.3
Lote 0704

HENRIQUE MOREIRA (1890-1979)

MULHER A AMENTAR MENINO” – Escultura em bronze moldado, relevado e patinado de intenso gestualismo e pormenor, trabalho do séc. XX. A figura está representada sentada sobre banco em vulto perfeito, segurando o menino sobre as pernas, aconchegando-o com o braço e a mão direita. Rosto de traços bem demarcados, ladeado por cabelos finamentos esculpidos em finas caneladuras. Traja saia comprida, deixando antever os seus pés, blusa parcialmente desabotoada, deixando a descoberto o seu peito em posição de amamentar e xaile sobre os ombros. O menino está representado deitado em vulto perfeito, aconchegado pelo braço e a mão da mãe. Escultura assinada e datada na base lateral esquerda [H. Moreira - 1920].

Dim: 53,5x25x22 cm

 

Nota: Henrique Araújo Moreira – Importante escultor português, nasceu em Avintes, Vila Nova de Gaia, em 9 de Maio de 1890. Em 1905, com 15 anos de idade ingressou na Academia Portuense de Belas Artes. No primeiro ano de frequência completou o correspondente a dois anos lectivos e seis anos mais tarde terminou o curso com a classificação final de dezassete valores. Nas Belas Artes foi discípulo de António Teixeira Lopes, José de Brito, Sousa Pinto e Marques da Silva, e condiscípulo dos escultores Diogo de Macedo, António de Azevedo, Zeferino Couto, Sousa Caldas, Manuel Martins e Azulina Gouveia, dos pintores Joaquim Lopes, Heitor Cramez e Armando Basto. Dedicou toda uma vida somente à produção escultórica, em Portugal (apenas viajou até Espanha). O seu nome está muito ligado à cidade do Porto onde se destacam as seguintes obras suas: “A Juventude” e os “Meninos” na Avenida dos Aliados; “Padre Américo”, na Praça da República; “Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular”, na Rotunda da Boavista; “Salva-Vidas” ou “Lobo do Mar”, na Foz do Douro; “Monumento a Raul Brandão” no Jardim do Passeio Alegre; Escultura “Ternura” no Jardim de S. Lázaro; “Monumento aos Mortos da Grande Guerra” na Praça Carlos Alberto; “O Pedreiro”, estátua em bronze no Largo Alexandre Sá Pinto. A sua obra, figurativa, academista e centrada na representação de figuras ilustres e populares, granjeou-lhe vários galardões e honrarias as tais como: a Medalha de ouro na Exposição Ibero-americana de Sevilha de 1929, vários prémios na Sociedade Nacional de Belas Artes (1916, 1917 e 1935), o Prémio Soares dos Reis, em 1963, a Medalha de ouro da cidade do Porto e a Medalha de Honra da Vila de Avintes. Henrique Moreira, morreu no Porto em 16 de Fevereiro de 1979.

Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 173-174] // Michael Tannock. [pág. 112] // Inventário Desenhos / Aguarelas / Óleos. Câmara Municipal de Matosinhos-Abril de 1970. [pág. 54] // Catálogo da Grande Exposição dos Artistas Portugueses-1935. [pág. 68]

Escultura 750,0 €
0973.2
Lote 0304

MEDALHÃO COM MOEDA DE FANTASIA

Em ouro amarelo contrastado (19,2 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho português do séc. XX-XXI. Centro com moeda de fantasia com aro de movimento encordoado com término em argola de suspensão. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de veado - Vidal Nº 4093. Marca de garantia do ouro do toque 0,800, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma cabeça de veado voltada para a esquerda, tendo na base o número 800. Marca de Ourives de Fânzeres (Gondomar) - Vidal Nº 4484 de Américo Barbosa & Cª, Ld.ª, registada no Porto em 1988.

Peso aprox: 22,9 gr.

Diâm: 4 cm

 

Ouro 720,0 €
0739.2
Lote 1100

MEMÓRIA COM BRILHANTES

Em ouro branco escovado e contrastado (19,2 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho português do séc. XX-XXI. Aro liso, cravejado com oito (8) diamantes em talhe de brilhante com 0,02 (ct) cada, formando um desenho repetitivo. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de veado - Vidal Nº 4093. Marca de garantia do ouro do toque de 0,800, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma cabeça de veado, voltada para a esquerda, tendo na base o número 800.

Peso total aprox: 10,4 gr.

Med: 13

Ouro 700,0 €
0818.2
Lote 0729

TABULEIRO DE GRADINHA

Em prata portuguesa, trabalho do séc. XX. Corpo liso de formato rectangular de cantos facetados. Gradinha recortada e vazada, decorada com enrolamentos e motivos geométricos estilizados, formando um desenho repetitivo. Sinais de uso.

Contraste: Águia 833 - Vidal Nº 49. Marca de garantia da prata do toque 0,833, usada na contrastaria do Porto de 1938-1984. Marca de Ourives do Porto - Vidal Nº 2310 de José Pereira Reis, registada em 1916 e transferida em 1946 para a respectiva viúva e em 1947 para José Pereira Reis, Sucessor.

Peso aprox: 2.118,2 gr.

Dim: 3x31,7x43,2 cm

Prata 700,0 €
1056.3
Lote 0317

ALBUQUERQUE MENDES – (1953)

SEM TÍTULO” – Aguarela e guache sobre papel. Obra assinada na parte inferior, ao centro [Albuquerque Mendes]. Trabalho emoldurado.

Dim: 35,5x51,3 cm (Aguarele e Guache)

Dim: 53x68,8 cm (Moldura)

 

Nota: José Bernardo Albuquerque Mendes – Pintor, nascido em Trancoso no ano de 1953. Artista plástico, um dos mais importantes pintores da geração surgida da década de 1970 e inícios de 1980 e actualmente de grande renome a nível nacional e internacional. O seu percurso inicia-se em Coimbra, onde frequentou o Círculo de Artes Plásticas entre 1970 e 1975. Na década de 1970 surge a primeira performance/ritual em Portugal realizada por Albuquerque Mendes. O artista ganhou grande visibilidade internacional com suas performances, tendo participado em alguns dos mais importantes festivais do género, como na França, no Centro Georges Pompidou, em Paris, e no Simpósio de Lyon, Alemanha, Países Baixos, ao lado de artistas como Joseph Beuys, Wolf Vostell ou Orlan. Integrou o Grupo Puzzle (juntamente com Dario Alves, Armando Azevedo, Gerardo Burmester, Carlos Carreiro, Fernando Pinto Coelho, João Dixo, Graça Morais, Pedro Rocha e Jaime Silva) desde a sua formação, em 1976, até 1980, ano em que cessaram as actividades do grupo enquanto tal. Albuquerque Mendes ocupa um lugar histórico e singular nas artes portuguesas do séc. XX, com centenas de exposições individuais e colectivas em Portugal e no estrangeiro. Exposições Individuais: [1992] Casa do Despacho da Ordem de São Francisco - Porto; [1993] “Aguarelas do Hospital”, Casa Museu Nogueira da Silva - Braga; [1994] Galeria Lídia Cruz - Leiria; [1996] “Céus”, Paço Imperial, Rio de Janeiro - Brasil; [1996] Galeria Assírio e Alvim - Lisboa; [1997] “Sete Pecados Mortais” - Galeria André Viana - Porto; [1997] “No mesmo lugar” – Museu da Inconfidência, Ouro Preto - Brasil; [1997] “Com os Olhos na Solidão”, Galeria Edicarte - Funchal; [1997] “No jardim das Oliveiras”, Galeria Canvas - Porto; [1998] “Ardor”, Museu de Arte Moderna da Bahia, São Salvador - Brasil; [1998] “O Martírio de São Bartolomeu em Trancoso”, Casa Museu Almeida Miranda, Viseu, Portugal e Galeria da Restauração - Porto; [1999] “Via Sacra”, Museu de Arte Moderna do Recife e Centro Cultural de João Pessoa - Brasil; [1999] Galeria Canvas - Porto; [2000] “Salomé” - Galeria Lídia Cruz - Leiria; [2000] “Lágrimas” - Galeria Anna Maria Niemeyer, Rio de Janeiro - Brasil; [2001] “Confesso”, Exposição Antológica, Museu de Arte Contemporânea de Serralves - Porto; [2002] “Estrela Polar”, Galeria Brito Cimino, São Paulo - Brasil; [2002] “Mar, Mãe, Sal, Sol”, Casa Museu Nogueira da Silva, Braga e Casa Municipal de Cultura - Cantanhede; [2004] “Natureza e Crueldade”, Galeria Graça Brandão - Porto; [2005] "Natureza e Crueldade", MAC de Niterói, Rio de Janeiro - Brasil; [2006] "O Tempo de Uma Vida", Galeria Graça Brandão - Lisboa; [2010] "Making of / La Creazione", Igreja de Santo António dos Portugueses Roma - Itália; [2011] "Trancoso, 17 de Marco de 1953", Galeria de Arte do Teatro Municipal da Guarda; [2011] "Eu tenho 58 anos e isso não quer dizer nada", Galeria Graça Brandão - Lisboa; [2012] "den dag manden faldt ned fra himlen i Danmark", Galeria Nuno Centeno - Porto; [2013] "Festim", Galeria Graça Brandão - Lisboa; [2014] "Paradoxos Degenerados: Entre acções, Pensamento e Obras", Carpe Diem Arte e Pesquisa - Lisboa. Exposições Colectivas: [2000] “Colecção do MEIAC”, Fundação D. Luís I - Cascais; [2000] “Accrochage IV”, Galeria Canvas - Porto; [2000] “III Bienal de Arte da Fundação Cupertino de Miranda de Famalicão" - Museu da Guarda; [2000] “Arritmias”, Mercado Ferreira Borges - Porto; [2001] “Arte no Porto no século XX”, Biblioteca Almeida Garrett - Porto; [2001] “A Árvore das Virtudes, a Árvore na Cultura, nas Artes, na Cidade”, Biblioteca Almeida Garrett e Cooperativa Árvore - Porto; [2001] “Porto 60/70, Os Artistas e a Cidade”, Museu de Serralves - Porto; [2001] “O Elogio da Loucura” Hospital Conde Ferreira - Porto; [2001] “O Sangue e as suas metáforas”, Teatro do Campo Alegre - Porto; [2002] “Os quatro elementos”, Casa Municipal de Cultura - Cantanhede; [2003] “Obras Escritas”, Biblioteca Almeida Garrett - Porto; [2005] “Lágrimas”, Exposição integrada no aniversário de Inês de Castro - Coimbra; [2006] “Constelações Afectivas II" - Parte 1 e 2, Galeria Graça Brandão - Lisboa; [2010] "The Painting and the contexts of history of art" Albuquerque Mendes + Djordje Ozbolt, The Mews Project Space - Londres; [2011] "Grupo Puzzle (1976-1981) - Pintura Colectiva = Pintura Individual", Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz. Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 106] // Michael Tannock. [pág. 107].

Pintura 700,0 €
1057.3
Lote 0692

ALBUQUERQUE MENDES – (1953)

SEM TÍTULO” – Aguarela e guache sobre papel, da série “Pinturas de Mesinha de Cabeceira”. Obra assinada e datada na parte inferior, ao centro [Albuquerque Mendes - 1983?]. Trabalho emoldurado.

Dim: 32,9x40,8 cm (Aguarela e guache)

Dim: 50,4x58,4 cm (Moldura)

 

Nota: José Bernardo Albuquerque Mendes – Pintor, nascido em Trancoso no ano de 1953. Artista plástico, um dos mais importantes pintores da geração surgida da década de 1970 e inícios de 1980 e actualmente de grande renome a nível nacional e internacional. O seu percurso inicia-se em Coimbra, onde frequentou o Círculo de Artes Plásticas entre 1970 e 1975. Na década de 1970 surge a primeira performance/ritual em Portugal realizada por Albuquerque Mendes. O artista ganhou grande visibilidade internacional com suas performances, tendo participado em alguns dos mais importantes festivais do género, como na França, no Centro Georges Pompidou, em Paris, e no Simpósio de Lyon, Alemanha, Países Baixos, ao lado de artistas como Joseph Beuys, Wolf Vostell ou Orlan. Integrou o Grupo Puzzle (juntamente com Dario Alves, Armando Azevedo, Gerardo Burmester, Carlos Carreiro, Fernando Pinto Coelho, João Dixo, Graça Morais, Pedro Rocha e Jaime Silva) desde a sua formação, em 1976, até 1980, ano em que cessaram as actividades do grupo enquanto tal. Albuquerque Mendes ocupa um lugar histórico e singular nas artes portuguesas do séc. XX, com centenas de exposições individuais e colectivas em Portugal e no estrangeiro. Exposições Individuais: [1992] Casa do Despacho da Ordem de São Francisco - Porto; [1993] “Aguarelas do Hospital”, Casa Museu Nogueira da Silva - Braga; [1994] Galeria Lídia Cruz - Leiria; [1996] “Céus”, Paço Imperial, Rio de Janeiro - Brasil; [1996] Galeria Assírio e Alvim - Lisboa; [1997] “Sete Pecados Mortais” - Galeria André Viana - Porto; [1997] “No mesmo lugar” – Museu da Inconfidência, Ouro Preto - Brasil; [1997] “Com os Olhos na Solidão”, Galeria Edicarte - Funchal; [1997] “No jardim das Oliveiras”, Galeria Canvas - Porto; [1998] “Ardor”, Museu de Arte Moderna da Bahia, São Salvador - Brasil; [1998] “O Martírio de São Bartolomeu em Trancoso”, Casa Museu Almeida Miranda, Viseu, Portugal e Galeria da Restauração - Porto; [1999] “Via Sacra”, Museu de Arte Moderna do Recife e Centro Cultural de João Pessoa - Brasil; [1999] Galeria Canvas - Porto; [2000] “Salomé” - Galeria Lídia Cruz - Leiria; [2000] “Lágrimas” - Galeria Anna Maria Niemeyer, Rio de Janeiro - Brasil; [2001] “Confesso”, Exposição Antológica, Museu de Arte Contemporânea de Serralves - Porto; [2002] “Estrela Polar”, Galeria Brito Cimino, São Paulo - Brasil; [2002] “Mar, Mãe, Sal, Sol”, Casa Museu Nogueira da Silva, Braga e Casa Municipal de Cultura - Cantanhede; [2004] “Natureza e Crueldade”, Galeria Graça Brandão - Porto; [2005] "Natureza e Crueldade", MAC de Niterói, Rio de Janeiro - Brasil; [2006] "O Tempo de Uma Vida", Galeria Graça Brandão - Lisboa; [2010] "Making of / La Creazione", Igreja de Santo António dos Portugueses Roma - Itália; [2011] "Trancoso, 17 de Marco de 1953", Galeria de Arte do Teatro Municipal da Guarda; [2011] "Eu tenho 58 anos e isso não quer dizer nada", Galeria Graça Brandão - Lisboa; [2012] "den dag manden faldt ned fra himlen i Danmark", Galeria Nuno Centeno - Porto; [2013] "Festim", Galeria Graça Brandão - Lisboa; [2014] "Paradoxos Degenerados: Entre acções, Pensamento e Obras", Carpe Diem Arte e Pesquisa - Lisboa. Exposições Colectivas: [2000] “Colecção do MEIAC”, Fundação D. Luís I - Cascais; [2000] “Accrochage IV”, Galeria Canvas - Porto; [2000] “III Bienal de Arte da Fundação Cupertino de Miranda de Famalicão" - Museu da Guarda; [2000] “Arritmias”, Mercado Ferreira Borges - Porto; [2001] “Arte no Porto no século XX”, Biblioteca Almeida Garrett - Porto; [2001] “A Árvore das Virtudes, a Árvore na Cultura, nas Artes, na Cidade”, Biblioteca Almeida Garrett e Cooperativa Árvore - Porto; [2001] “Porto 60/70, Os Artistas e a Cidade”, Museu de Serralves - Porto; [2001] “O Elogio da Loucura” Hospital Conde Ferreira - Porto; [2001] “O Sangue e as suas metáforas”, Teatro do Campo Alegre - Porto; [2002] “Os quatro elementos”, Casa Municipal de Cultura - Cantanhede; [2003] “Obras Escritas”, Biblioteca Almeida Garrett - Porto; [2005] “Lágrimas”, Exposição integrada no aniversário de Inês de Castro - Coimbra; [2006] “Constelações Afectivas II" - Parte 1 e 2, Galeria Graça Brandão - Lisboa; [2010] "The Painting and the contexts of history of art" Albuquerque Mendes + Djordje Ozbolt, The Mews Project Space - Londres; [2011] "Grupo Puzzle (1976-1981) - Pintura Colectiva = Pintura Individual", Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz. Ref. Biog. Dicionário de Pintores e Escultores Portugueses. [pág. 106] // Michael Tannock. [pág. 107].

Pintura 700,0 €
0684.2
Lote 1110

BILHETEIRA DE BORDO RECORTADO

Em prata portuguesa, trabalho do séc. XIX-XX. Corpo de formato circular, decorado na orla por friso concêntrico com enrolamentos vegetalistas gravados. Aba decorada por faixa recortada, encimada por grinaldas de motivos florais e frutos em relevo, interligadas a laçarotes e perolados, assente sobre pés recortados e vazados, decorados com motivos florais em relevo. Sinais de uso.

Contraste: Javali (II) - Vidal Nº 73. Marca de garantia aproximada da prata do toque de 0,833, usada na contrastaria do Porto de 1887-1937. Marca de Ourives do Porto - Vidal Nº 1941 de João Joaquim Monteiro, registada em 1887, transferida para Monteiro & Filhos em 1949, sendo substituída a letra J por M e para Monteiro & Filhos Ld.ª em 1969 e cancelada em 1969. (Marca Nº 2896) e inscrição incisa Ourivesaria da Guia - Lisboa.

Peso aprox: 1.332,6 gr.

Alt: 5 cm

Diâm: 37,7 cm

Prata 670,0 €
0597.2
Lote 0633

SEXTA ESTAÇÃO DA VIA SACRA

JESUS A CARREGAR A CRUZ COM A SANTA VERÓNICA” – Esculturas em marfim de grande gestualismo e pormenor, trabalho europeu do séc. XIX-XX. Jesus cristo está representado de pé e em vulto perfeito, carregando a cruz apoiada sobre o ombro esquerdo com o braço direito parcialmente esticado e a mão direita entreaberta. Rosto de traços bem demarcados de expressão sofrida, ladeado por longos cabelos esculpidos em finas caneladuras, resultando em madeixas e caracóis, encimados por coroa de espinhos. Traja túnica cingida à cintura, caindo em pregueados harmoniosamente elaborados, deixando a descoberto um dos seus pés. A seus pés, encontra-se a Santa Verónica ajoelhada em vulto perfeito, segurando com ambas as mãos um pano para limpar a cara de Jesus Cristo. Traja túnica comprida e manto sobre a cabeça, caindo em dobra turgidas sobre as costas. Sinais de uso.

Peso aprox: 136,4 gr.

Dim: 13,5x12,2x9,5 cm

 

Nota: Escultura com certificado [ICNB-CITES

Marfim 650,0 €
0738.2
Lote 0604

ANEL DE SENHORA MODERNISTA

Em ouro branco contrastado (19,2 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho português do séc. XX-XXI. Aro liso, encimado ao centro por caneladuras cruzadas em forma de [X], cravejadas com dez (10) diamantes em talhe de brilhante com 0,01 (ct) cada, ladeadas por caneladuras oblíquas, cravejadas com doze (12) diamantes em talhe de brilhante com 0,01 (ct) cada. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de veado - Vidal Nº 4092. Marca de garantia do ouro do toque de 0,800, usada na contrastaria de Lisboa desde 1985. Uma cabeça de veado, voltada para a esquerda, tendo na base o número 800.

Peso total aprox: 13,5 gr.

Med: 18

Ouro 650,0 €
0966.2
Lote 0339

COLAR DE SENHORA

Em ouro branco escovado e contrastado (19,2 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho português do séc. XX-XXI. Corpo constituído por elos transversais interligados entre si com término semiesférico, encimado por quadra cravejada com nove (9) diamantes em talhe de brilhante com cerca de 0,01 (ct) cada. Sinais de uso.

Contraste: Cigarra - Vidal Nº 4101. Marca de garantia do ouro branco do toque 0,800, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma cigarra, voltada para a esquerda.

Peso total aprox: 18,9 gr.

Dim: 42 cm

Ouro 650,0 €
0979.2
Lote 0280

SAID-BOARD ESTILO IMPÉRIO

Em madeira de mogno e raiz de mogno faixeada, trabalho francês do séc. XX. Tampo liso em pedra mármore em tons de negro, assente sobre corpo de formato rectangular ao baixo, constituído por três gavetas superiores e quatro portas, ladeadas por colunas com término em base de linhas direitas e pés torneados. Corpo decorado com aplicações em metal dourado com losangos, ornados ao centro por mascarões, ladeados por enrolamentos vegetalistas, coroas, laços e faixas concêntricas com elementos geométricos, formando um desenho repetitivo. Gavetas malhetadas em madeira de castanho e interiores compartimentados por prateleiras em madeira. Sinais de uso, pequenas faltas e defeitos na folha de duas gavetas.

Dim: 104,5x220x60 cm

 

Mobiliário 650,0 €
0740.2
Lote 1042

MEMÓRIA ROTATIVA COM BRILHANTES

Em ouro branco e amarelo contrastado (19,2 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho português do séc. XX-XXI. Aro liso em ouro amarelo com memória rotativa em ouro branco, cravejada com oito (8) diamantes em talhe de brilhante com 0,01 (ct) cada. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de veado - Vidal Nº 4092. Marca de garantia do ouro do toque de 0,800, usada na contrastaria de Lisboa desde 1985. Uma cabeça de veado, voltada para a esquerda, tendo na base o número 800.

Peso total aprox: 9,5 gr.

Med: 18

 

Ouro 620,0 €
0662.2
Lote 1022

CÓMODA CHAPELEIRA

Em madeira de mogno maciço, recortado e entalhado com partes folheadas a raiz de mogno, trabalho inglês do séc. XIX-XX. Caixa com ilhargas recortadas, constituída por três gavetas superiores tortas e retortas, formando bonitas linhas assimétricas, encimadas por uma gaveta simulada, inserida na cintura e três gavetões em degradê, assente sobre base recortada. Pilastras verticais recortadas, decoradas com frutos, ramagens enrolamentos vegetalistas e volutas entalhadas. Puxadores torneados com embutidos ao centro em madrepérola. Sinais de uso, tampo manchado e falta parcial da folha do rodapé.

Dim: 122x127x58,5 cm

Mobiliário 600,0 €
0678.2
Lote 1116

D. MARIA I E D. PEDRO III (1777-1786)

PEÇA EM OURO – RIO DE JANEIRO

ANV.: MARIA • I • ET • PETRUS • III • D • G • PORT • ET • ALG • REGES •

Ao centro: D. Maria I e D. Pedro III, bustos conjugados à direita, laureados e drapejados.

Por baixo: 1783 • — R

REV.: Escudo de Portugal coroado.

Metal: Ouro

Bordo: Serrilhado

Estado: M.B.C.

Diâm: 32 mm

Toque: 916,6 ‰

Peso: 14,3 gr.

 

ARO AMOVÍVEL” – Em ouro, trabalho português do séc. XIX-XX. Sem marcas de contrastaria – Ao abrigo do decreto de lei Nº 44 de 17 de Agosto de 2016.

Peso aprox: 3,5 gr.

Diâm: 3,3 mm

Ouro 600,0 €
0734.2
Lote 0302

ANEL MODERNISTA DE SENHORA

Em ouro amarelo contrastado (18 k), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,750, trabalho europeu do séc. XX-XXI. Aro liso, encimado por mesa recortada, decorada por aplicação em madrepérola e terminal recortado, cravejado por treze (13) diamantes em talhe de brilhante com 0,01 (ct) cada. Sinais de uso.

Contraste: Andorinha - Vidal Nº 4094. Marca de garantia do ouro do toque de 0,750, aplicada em artefactos para exportação, usada na contrastaria de Lisboa desde 1985. Uma andorinha em voo, tendo na base o número 750.

Peso total aprox: 15,3 gr.

Diâm: 18

 

Ouro 600,0 €
0737.2
Lote 1053

ANEL DE SENHORA MODERNISTA

Em ouro branco contrastado (19,2 k) com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800, trabalho Português do séc. XX-XXI. Aro liso, encimado fiada encastoada com onze (11) diamantes em talhe de brilhante com 0,02 (ct) cada. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de veado – Vidal Nº 4093 – Marca de garantia do ouro do toque de 0,800, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma cabeça de veado, voltada para a esquerda, tendo na base o número 800.

Peso total aprox: 11,5 gr.

Med: 15

Ouro 600,0 €
0753.2
Lote 0597

PREGADEIRA COM PENDENTE E PAR DE BRINCOS DE SENHORA

Em ouro amarelo contrastado (19,2 k) e prata (Joalharia), com as respectivas marcas de garantia do toque 0,800 e 0,925, trabalhos do séc. XX-XXI.

Pregadeira”, de formato rectangular, recortada e vazada em forma de flor, encastoada com quatro (4) ametistas e vinte e sete (27) pedras em cristal de rocha. Sinais de uso.

 

Par de brincos”, em forma de flor, encastoados com dezoito (18) pedras lapidadas em cristal de rocha. Sinais de uso.

Contraste: Cabeça de veado - Vidal Nº 4093. Marca de garantia do ouro do toque de 0,800, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma cabeça de veado, voltada para a esquerda, tendo na base o número 800. Cabeça de Águia - Vidal Nº 4107. Marca de garantia da prata do toque 0,925, aplicada em artefactos pequenos, usada na contrastaria do Porto desde 1985. Uma cabeça de águia voltada para a esquerda, tendo na base o número 925.

Peso total: 32,2 gr.

Dim: 4,5x5,8 cm (Pregadeira)

Dim: 2,3x2,1 cm (Brincos)

 

Ouro 600,0 €
0902.2
Lote 0748

D. MARIA I E D. PEDRO III (1777-1786)

PEÇA EM OURO – RIO DE JANEIRO

ANV.: MARIA • I • ET • PETRUS • III • D • G • PORT • ET • ALG • REGES •

Ao centro: D. Maria I e D. Pedro III, bustos conjugados à direita, laureados e drapejados.

Por baixo: 1781 • — R

REV.: Escudo de Portugal coroado.

Metal: Ouro

Bordo: Serrilhado

Estado: M.B.C.

Diâm: 32 mm

Toque: 916,6 ‰

Peso: 14,3 gr.

 

Ouro 600,0 €

Newsletter

Subscreva a Newsletter da Leiloeira Serralves para receber no seu e-mail todas as novidades, promoções e datas de Leilões.